Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
PT

Características da Liderança Generativa

 Porque é hoje extremamente importante a liderança generativa?

 

Liderança e sucesso organizacional requerem inteligência prática, julgamento prudente e disciplina. Estes são os poderes impressionantes da mente racional, altamente educada e aperfeiçoada pela experiência, capaz de exercer todas as funções essenciais para operar numa organização. Este aspeto da mente é tipificado pelo direcionamento para metas e resolução de problemas. Expressa as nossas impressionantes capacidades cognitivas e instrumentais e é mobilizado pelo impulso de alcançar algo. Uma marca registada e clássica no mundo dos negócios.

O que não é tão evidente, a partir deste aspeto da mente, é o tecido conectivo das relações socio-emocionais, forças que nos ligam uns aos outros e a uma causa. Claro, nós não podemos existir só como criaturas racionais/instrumentais, mas, seja como indivíduos ou em grupos, a dinâmica relacional é uma força com efeitos poderosos, muitas vezes decisiva, que se transforma no motor que conquista novos patamares e que prospera. Todavia, fazer destes fatores o foco explícito da liderança, nem sempre tem sido uma realidade nos negócios.

Podemos, assim, caracterizar a liderança generativa como uma forma de ser. Todos os líderes são, primeiramente e acima de tudo, pessoas. E são as suas qualidades pessoais que atraem os outros. Estas qualidades incluem sabedoria, experiência e prática. Mas, ainda mais importante, um líder generativo está sintonizado com os aspetos intrapessoais, interpessoais e sociais, revelando uma inexorável capacidade de se relacionar consigo próprio e com os outros.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O que postulo com a fundamentação da liderança generativa é: embora o nosso racionalismo instrumental seja uma capacidade que nos tem levado muito longe (do mundo agrário para a sociedade industrial, da mão-de-obra intensiva para inovação de alta tecnologia e engenharia de processos), não será suficiente face às novas condições do século XXI. Os fatores relacionais e socio-emocionais que temos relegado para segundo plano são agora absolutamente críticos se queremos ir mais longe.

 

AUTORIA

Graça Marques
Licenciada em Economia com Pós-graduação em Marketing & Vendas e Pós-graduação em Mercados Financeiros. Certificação em Analista PDA. Tem Formação Certificada em Alta Direção de Equipas, Sales Training Succeed.