Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]
PT

Liderança Generativa

A convicção é que está a ocorrer uma mudança transformadora na forma como moldamos os desafios, o que implica uma imensa transmutação nos padrões relativos à liderança. Isto, naturalmente, tem implicações, não só na forma como conceptualizamos e avaliamos a liderança, mas, também, como abordamos o desenvolvimento das capacidades de liderança em todos os níveis dentro de uma organização.

Quanto às mudanças de circunstâncias que sinalizam a necessidade de transformação, estas são numerosas e têm implicações arrebatadoras. Se o foco está na liderança nos setores privado ou sem fins lucrativos, e se a organização é uma grande empresa global ou uma empresa média, mas com uma pegada mais regional, devemos contar com estas mudanças. Regra geral, as mudanças são nominalmente denominadas como problemas, mas poucas são efetivamente abordadas e resolvidas. Uma nova normalidade está a surgir, e com ela chegam soluções inovadoras, mas vejamos algumas das características dos problemas: 

  • Impactos generalizados da economia global que nos afetam a todos. Optar por operar perto de casa, a nível nacional, ou no mundo inteiro.
  • Avanços na tecnologia das comunicações. A tecnologia traz oportunidades e ameaças, clientes e concorrentes, e diminui as barreiras à entrada.
  • Necessidade de transcender o antigo protótipo de liderança. Pense/gestor vs. pense/homem ainda prevalece em muitos sectores, mas os seus efeitos restritivos sobre o desempenho estão a tornar-se inegáveis.
  • Diversidade étnica e cultural. À medida que as sociedades se tornam mais diversas, passamos a lidar com diversos povos, a sua experiência, valores e desejos.
  • Diferenças geracionais nas expectativas. Um mercado de talentos diversificado, por exemplo: mulheres e trabalhadores mais velhos querem um maior equilíbrio entre trabalho e vida, flexibilidade e autonomia e, acima de tudo querem significado.
  • Pressões implacáveis ao nível do desempenho. As normas da crise pós-financeira exigem que executemos um escrutínio intensificado, tudo isto ao mesmo tempo em que nos temos que focar na governança e em triplicar resultados.

Naturalmente, haverá desafios específicos para cada organização associados ao seu sector de atividade e mercados. Mas estes desafios estratégicos empresariais estão sempre aninhados no contexto caracterizado pelos fatores enumerados acima.

 

AUTORIA

Graça Marques
Licenciada em Economia com Pós-graduação em Marketing & Vendas e Pós-graduação em Mercados Financeiros. Certificação em Analista PDA. Tem Formação Certificada em Alta Direção de Equipas, Sales Training Succeed.